Connect with us

O que você está procurando?

Saúde Mental

Brasil está entre países com a pior taxa de saúde mental; veja ranking

Ranking The Mental State of the World apontou o Brasil como um dos cinco países com pior taxa de saúde mental do globo

Brasil está entre países com a pior taxa de saúde mental; veja ranking
Brasil está entre países com a pior taxa de saúde mental; veja ranking - Foto: Shutterstock

Uma pesquisa realizada pela plataforma Neurotech Sapien Labs mostrou que o Brasil tem a quarta pior taxa de saúde mental do planeta. O país recebeu a nota 53, de um total de 110, ficando na frente apenas da África do Sul (50), Reino Unido (49) e Uzbequistão (48). 

O ranking The Mental State of the World mapeia a qualidade da saúde mental ao redor do globo, e ao todo são 71 países analisados pela pesquisa. Segundo o levantamento, os brasileiros estão entre os que mais relatam sentir estresse e dificuldades com a parte mental de sua saúde. Ao todo, 34% das pessoas no país relatam esses sintomas.

Para a psicanalista Dra. Andrea Ladislau, esse resultado demonstra uma triste realidade: estamos enfrentando uma crise de saúde mental. “Ao analisar esse cenário, não podemos ficar presos em questões de emoções voltadas apenas para alegria ou tristeza, pois vai muito além disso”, salienta. 

“Estamos falando do estado interior geral do indivíduo e de sua forma de relacionar e conectar a vida pessoal com a vida social. Ou seja, refere-se à maneira como o emocional está impactando a vida cotidiana do ser humano”, completa a especialista.

Aumento dos transtornos de saúde mental

Andrea reforça que somos uma das populações que mais apresenta queixas direcionadas por estresse, transtornos e questões psíquicas. “Entre 2018 e 2022 tivemos o dobro de internações psiquiátricas que saltaram de 794 para 2100 registradas. Ou seja, o próprio perfil populacional está mudando em relação ao que diz respeito à saúde e bem estar emocional”, aponta.

Conforme a psicanalista, a depressão ganha em disparada nos tipos de diagnósticos e a incidência cresce em mulheres jovens de 18 a 39 anos. No entanto, este não é motivo para negligenciar o aumento de casos de problemas de saúde mental em crianças. Inclusive, também já se registra a elevação do uso medicamentos controlados, especialmente ansiolíticos, por parte dessa população mirim.

Razões para a má colocação no ranking

De acordo com Andrea Ladislau, muitas razões justificam a posição do Brasil no ranking:

  • O preconceito que ainda é grande e faz com que as pessoas só busquem ajuda de um profissional de saúde mental quando vários transtornos ou neuroses já estão associados ou em estágio irreversível;
  • Insegurança do período pandêmico que se arrasta até hoje, aumentando os níveis de estresse, depressão e ansiedade por conta do isolamento social e das incertezas com o futuro;
  • Desemprego e desigualdade social e econômica;
  • Insuficiência no acesso aos serviços de saúde mental na rede pública que não dispõe de espaços acolhedores e qualificados, em quantidade que possa acolher a população que não possui plano de saúde;
  • Negligência e falta de divulgação dos benefícios dos cuidados com a saúde mental e da promoção à saúde como um todo.

Sentimento de urgência

“Enfim, esse quadro precisa ser revertido com urgência e, assim, a posição do Brasil no ranking ser alterada, pois ela reflete uma população adoecida psiquicamente”, destaca Andrea. 

Para a psicanalista, é fundamental promover uma melhor qualidade de vida para o ser humano, considerando que ele é um ser único, com suas particularidades e incompletudes. 

“Além disso, falta, por parte de todos, a consciência e a capacidade de ampliar o senso crítico para que o indivíduo adoecido consiga se perceber e fazer suas escolhas, considerando sua bagagem de vida, seus desejos e anseios, através de um melhor manejo de autocontrole, resiliência, autocompaixão e senso de pertencimento”, aponta a profissional. 

Todos esses, aliás, são ingredientes de suma importância para o fortalecimento dos propósitos de uma saúde mental equilibrada e saudável. “Ou seja, se entendermos e levarmos a sério a psique, certamente, teremos indivíduos mais leves e equilibrados mentalmente”, finaliza Andrea.           

Advertisement

Você também vai gostar

Alimentação

Frequentemente confundida com a intolerância ao glúten, a doença celíaca é uma condição autoimune que exige uma série de restrições alimentares

Alimentação

Baixa produção de colágeno interfere na saúde das articulações. Entenda qual o impacto do açúcar nesses casos

Doenças

Rio Grande do Sul registrou ao menos 17 mortes por leptospirose após enchente histórica atingir o estado. Veja os sintomas da condição

Notícias

Chegar “lá” traz benefícios para todo o organismo, o que pode ser estimulado nesse Dia dos Namorados. Veja os impactos do orgasmo na nossa...